Folha DoSanto: Quem somos? DoSanto, é claro.

Kosi ewe, kosi orisa : “Sem folha, não tem orixá”.

A Folha DoSanto teve seu nome criado inspirado neste famoso oriki poesia africano (se aproveitando abertamente do trocadilho—recurso de linguagem tão comum na língua iorubá)  e que versa sobre a importância da folha dentro da culto ancestral africano. Este é um reposítório de matérias e artigos produzidos pelos mais competentes escritores, pesquisadores, órgãos da imprensa e de pesquisa relacionados às diversas áreas da cultura afro-brasileira. Esta é mais uma iniciativa da DoSanto, camiseteria de temática fortemente afro-brasileira.

Mais do que camisetas de Orixás, nossa proposta é de uma moda na forma de arte corporal, portátil e pessoal. Isto somos nós: DoSanto.

“Vista-se de Arte e cultura. Cultura afro-brasileira.” Eis o nosso desejo.

Somo um coletivo de colaboradores com formações muito diferenciadas. Na formação da DoSanto tem artista plástico, historiador, desenhista, produtor cultural, jornalista, videomaker e escritor. Em comum, um forte interesse pela cultura afro-brasileira.

“Povo do Santo” ou “de santo” é como se definem as pessoas devotadas ao culto dos orixás africanos no Brasil, país onde este culto religioso ganhou cores, cheiros, gostos e modos locais, e tomou o nome de Candomblé.

Esta conhecida canção, composta por Caymi e imortalizada por Carmen Miranda, apresenta a imagem típica da baiana de santo, e por extensão a imagem de todo um grupo social, com seus trajes, comidas, penteados e danças típicas. Torço e badulaques viraram moda. Carmen, em 1946, com a imagem da baiana de candomblé estilizada e alterada, se tornou a artista mais bem paga de Hollywood. Porém, muito além do clichê, encontra-se uma cultura complexa e rica.

Dividido em vários grupos distintos, a liturgia muda de “nação” para “nação”, como são chamados os agrupamentos de crenças, modos e costumes de culto. Assim como não se pode falar em África como um só bloco religioso, econômico e cultural, também não se pode falar em Candomblé como um sistema devocional único.

O Candomblé empresta a seus devotos maneiras de pensar e modos de vida cotidianos: o vestir, o comer, o falar, tudo é influenciado pela religião.

A Do Santo vem materializar este modo de vida do Povo do Santo na forma de roupas e acessórios que expressem a fala “sou do Santo”, com a pesquisa de materiais, formas, cores e símbolos, deixando para trás o terreno raso do estereótipo e voltando-se para a riqueza do arquétipo dos Senhores das Cabeças dos Seres Humanos, os Orixás.